Florianópolis tem a pior mobilidade entre as capitais brasileiras

E-mail Imprimir PDF

dfasfAcordar uma hora mais cedo para chegar ao trabalho em tempo tem sido rotina para os motoristas da Capital. Agora, a paciência exigida em Florianópolis passou de simples impressão a um estudo revelador. A cidade tem o segundo pior índice de mobilidade do mundo, além do trânsito mais complicado entre as 21 capitais brasileiras pesquisadas.

Pelos critérios estabelecidos, entre as 21 capitais pesquisadas, Florianópolis tem o pior deslocamento. Ainda segundo o ranking desenvolvido pelo pesquisador da Universidade de Brasília (UnB), Valério Medeiros, a capital catarinense tem a segunda pior mobilidade entre as cidades pesquisadas em todo o mundo.

Baixe aqui arquivo com resultados da pesquisa no Brasil e com a identificação dos gargalos do trânsito.

Medeiros avaliou as relações de movimento e como a forma das cidades condiciona a mobilidade. A partir da identificação de rotas em que é possível a passagem de veículos, o pesquisador calculou o chamado "valor de integração" de cada cidade, com o auxílio de um software.

Foram levadas em consideração a organização e a conexão das ruas em detrimento da quantidade de vias. No primeiro momento, os dados levantados foram das cidades brasileiras com mais de 300 mil habitantes. Na sequência do estudo, os dados foram confrontados com aqueles obtidos em 164 cidades do mundo. O paralelo foi feito na Universidade de Londres, onde a forma de abordagem do estudo foi criada.

- As cidades brasileiras foram as piores no contexto mundial. Uma das grandes contribuições para isso foi o processo de crescimento urbano sem planejamento global das cidades nas décadas de 1960 e 1970. Isso criou uma "colcha de retalhos", com desenhos diferentes entre os bairros. Ao longo do tempo, os pedaços não foram costurados, causando segregação espacial e perda de área nos deslocamentos - ressaltou o autor da pesquisa.

Desenho da cidade explica engarrafamentos

Quanto menor o valor do índice, mais labiríntica a cidade e, consequentemente, mais difícil a mobilidade de carro. Com a pontuação de 0,199, Florianópolis ficou bem à frente da segunda colocada, Rio de Janeiro, com 0,303. Porto Velho foi considerada a capital com melhor mobilidade, com índice 1,458. No mundo, Florianópolis só perde para a cidade de Phuket, na Tailândia.

O desenho da cidade pode explicar a quantidade de engarrafamentos. Para o autor do estudo, o principal motivo das dificuldades em ir e vir de carro em Florianópolis é a geografia. O espaço em que a cidade se instalou tem muitos morros, montanhas, lagoas e dunas, o que causou a não-continuidade da malha viária. A falta de conexões entre os bairros gerou um mapa fragmentado.

O pesquisador sugere duas estratégias para amenizar o problema. A primeira seria criar novas ligações entre o Continente e a Ilha. A segunda possibilidade apontada por ele é promover a integração de vários modos de transportes. Além disso, o estudioso avalia ser importante evitar o desenvolvimento de grandes áreas longe do espaço principal da cidade e utilizar ciclovias para pequenos trajetos.

Título original: "Pior mobilidade do Brasil é aqui"

Retirado de http://www.clicrbs.com.br/diariocatarinense/jsp/default2.jsp?uf=2&local=18&source=a2523052.xml&template=3898.dwt&edition=12392&section=213# em 26/05/09

Última atualização ( Ter, 26 de maio de 2009 11:50 )  

Adicionar comentario

:D:lol::-);-)8):-|:-*:oops::sad::cry::o:-?:-x:eek::zzz:P:roll::sigh:
Bold Italic Underlined Striked Quote


Codigo de seguranca
Atualizar

Canais

Ferramentas

On-line

None

Patrocinador

Banner

Parceiros

Publicidade

Banner