Volta da França penal serve para reabilitação de detentos

E-mail Imprimir PDF

dffff

Cinco meses atrás, a única coisa em comum que Nícolas, Rachid e Yassim tinham com os grandes ciclistas profissionais era o jantar rico em carboidratos: massa, servida com infalível regularidade na prisão Seysses, em Toulouse. O resto de suas vidas era perdido entre quatro paredes assistindo tevê, compondo música ou cantando. Exercício, quando existia, era o mais simples possível e em local fechado.

Quando foram questionados pela primeira vez se gostariam de participar de uma corrida ciclística de 3.500 quilômetros pelo interior da França, tiveram apenas uma reação. "Pensamos que eles estavam brincando", disse Nícolas, 22 anos, com um rosto jovial que lembra muito mais o integrante de uma boy band do que um criminoso perigoso. "Não podíamos acreditar que era real."

Mas a oferta era real. E na sexta-feira os três jovens partiram para um trecho de 176 quilômetros daquele que já pode ser considerado o menos cobiçado evento esportivo da história do país: a Volta da França penal. A intenção dos organizadores é auxiliar na reabilitação de cerca de 200 criminosos condenados - alguns deles por assassinato ou estupro -, colocando-os para participar de uma corrida por vales, planícies e vinícolas de todo o país.

Os participantes foram selecionados pelo estafe da prisão entre um expressivo número de voluntários, levando em conta o bom comportamento e o potencial esportivo. A maioria dos detentos participa de um estágio e depois passa o bastão para um time de outra penitenciária. A disputa começou semana passada e a chegada será em Paris.

Para Nicolas, cujo sobrenome não tem a publicação autorizada, a experiência tem sido uma transformação na sua vida. "Isso realmente tem modificado as coisas para nós. É uma chance de ficar fora das quatro paredes. Quando você sai mesmo que por um minuto, isso lhe faz muito bem", afirmou.

Philippe, um detento da Prisão Tarascon, em Provence, completou os 200 quilômetros do trecho entre Le Pontet e Beziers após um duro e valioso treinamento. "O principal é a convivência entre nós. Apoiamos uns aos outros emocional e fisicamente", diz.

Reações com essa não surpreendem François Grosvalet, organizador do tour e do programa de desenvolvimento esportivo no sistema penitenciário francês. "O papel da atividade física no processo de reabilitação não tem sido plenamente explorado", considera. "O esporte tem efeito relaxante nos prisioneiros, contribui para o equilíbrio deles... Ajuda-os a lidar melhor com a prisão."

Ele ressalta que não apenas os detentos, mas também a sociedade é beneficiada pelos efeitos de uma reabilitação mais eficiente. "Devemos ser pragmáticos sobre isso. Um dia essas pessoas vão sair da prisão, voltar à sociedade e até lá precisamos pensar sobre esse futuro", alerta.

Apesar da preocupação inicial com a segurança, os organizadores asseguram que não tiveram problemas logísticos. Os internos saíram da prisão escoltados por agentes penitenciários, mas não tiveram de usar algemas ou dormir sob vigilância. No entanto, sprints vistos comumente na verdadeira Volta da França foram proibidos.

Para Rachid, 30 anos, a um mês de cumprir sua pena, o tour não é suficiente para mascarar as deficiências do sistema penal. As prisões francesas têm um dos mais elevados índices de suicídio na Europa e atualmente abrigam 11 mil internos a mais que a sua capacidade. "É bom ser capaz de sair da prisão e pedalar pelo país, mas há muitas coisas básicas que precisam ser feitas", diz o detento.

Tradução: Leonardo Mendes Júnior.

Retirado de http://portal.rpc.com.br/gazetadopovo/esportes/conteudo.phtml?tl=1&id=896062&tit=Volta-da-Franca-penal-serve-para-reabilitacao-de-detentos em 22/06/09

 

Comentario 

  1. #1 Osvaldo Oliveira Write e-mail
    2011-07-0308:08:08 Eu acho que o no Brasil dereria ter uma ONG (ASSOCIAÇÃO),
    que Reabilitase o ex-apenado de bom comportamento, para Re-
    abilitá-lo Social e Criminal na sociedade, para que o ex-preso pos-
    são Trabalhar em empresa privado e ser tambem funcionário pu-
    blico. Porque tem muitos ex-apenado sofre com o preconseito é
    encrime existe no pais.

    Bel Osvaldo Oliveira

Adicionar comentario

:D:lol::-);-)8):-|:-*:oops::sad::cry::o:-?:-x:eek::zzz:P:roll::sigh:
Bold Italic Underlined Striked Quote


Codigo de seguranca
Atualizar

Canais

Ferramentas

On-line

None

Patrocinador

Banner

Parceiros

Publicidade

Banner